Frederico Jordan

De Memória CVJ
Ir para navegação Ir para pesquisar
Frederico Jordan
Frederico jordan.png
Arquivo Histórico de Joinville
Partido(s) Partido Liberal (1831)
Legislatura 1ª, 3ª e 4ª legislatura Monárquica
Assinatura Frederico jordan assina.jpg

Em Joinville, Frederico (Friedrich) Jordan, foi vereador da , e 4ª Legislatura Monárquica.

Vereador

  • 1ª Legislatura monárquica (1869-1874): Fazendo 46 votos, Frederico Jordan foi o suplente mais votado.[1] Como Jacob Müller saiu da cidade sem assumir o cargo, Frederico foi convocado e já atuou como vereador desde a primeira sessão.[2]
  • 3ª Legislatura monárquica (1877-1881): Ficando na suplência pelo Partido Liberal, Frederico Jordan acabou sendo convocado devido a um processo judicial que suspendeu cinco vereadores por cerca de um mês.[3]
Magnifying glass 01.svg.png Ver artigo principal: Assembleia Legislativa Provincial versus Câmara de Joinville
  • 4ª Legislatura monárquica (1881-1883): Conquistando 46 votos, Jordan foi eleito vereador nas eleições de 1880.[1]

Eleições Perdidas

  • 1868 - 46 Votos.[1]

Informações Biográficas

O Problema do abastecimento de Água

Como a vila de Joinville sofria com o problemático abastecimento de água, durante a 1ª Legislatura do período monárquico foi criada uma comissão para buscar uma solução, e Frederico Jordan foi designado para integrá-la. A comissão decidiu aproveitar as águas do Morro do Boa Vista e canalizá-las até um poço no centro. O riacho que fornecia a água ainda hoje pode ser visto ladeando a rua Pastor Guilherme Rau, na subido do morro do Boa Vista.[4]

Jordan e a "Marcha Sobre Joinville"

Gazeta de Joinville anunciando a exoneração de delegado Jordan, em 1880.[5]

Entre 1876 e 1877, São Bento do Sul teve más colheitas por causa de uma grande seca seguida por chuvas constantes e ataques de pragas. Para mitigar o problema econômico, a direção da Colônia Dona Francisca empregou os colonos na construção da Estrada Dona Francisca. Ocorreu porém que com a troca na presidência da província, houve ordem de paralisar as obras e suspender os pagamentos. Essa situação deixou os colonos revoltados, e 300 deles se armaram para descer e invadir Joinville.[4]

Porém o delegado de polícia nessa ocasião era Frederico Jordan, que avisado da rebelião, auxiliado por Etienne Douat e Frederico Brüstlein, reuniu joinvilenses capazes de defender a cidade e esperou os revoltosos à cerca de um quilômetro da cidade. Ali, os líderes joinvilenses chamaram os colonos de São Bento à razão. Admoestados, estando diante de uma guarda de defesa e cansados da longa marcha, estes depuseram as armas. O Dr. Manoel de Azevedo Monteiro, chefe de polícia interino enviado com praças para restabelecer a ordem e inquirir a situação, disse em seu relatório que:

(...) somente pela animosa atitude do delegado de polícia Frederico Jordan e de algumas outras pessoas, deixaram os revoltosos de tornar efetivo o fim que os levara à Joinvile, (...).[6]

Jordan pediria exoneração do cargo de delegado em 1880.[5]

Outros fatos importantes

  • 1871 - Eleito para nova diretoria da Kultur-Verein (Sociedade Cultural), que estava prestes a ser dissolvida.[4]
  • 1872 - Promovido a capitão da Guarda Nacional, pelo presidente da Província.[7]
  • 1873 - Membro da comissão sanitária que enfrentou o surto de varíola.[8]
  • 1877: Jordan esteve entre os que fizeram donativos para ajudar os enfermos de São Francisco do Sul, onde grassou uma epidemia de febre amarela. Ele contribuiu com 10 mil réis.[9]

Família

Por três gerações seguidas os Jordans mantiveram um dos seus entres os vereadores de Joinville. Além de Frederico, seu filho Henrique foi vereador no início do período republicano e seu neto, Hans, foi vereador no período que antecedeu a Era Vargas, além de ter sido deputado estadual e federal. Um dos trinetos de Frederico é o engenheiro Henrique Jordan, que empresta seu nome a uma rua na cidade, falecido num acidente na Fundição Tupy, em 1971. Outro de seus trinetos foi o fundador da Companhia Jordan de Veículos. Sua bisneta, Rotraut-Rose Tamm Jordan, foi esposa de David Ernesto de Oliveira, vereador da 1ª Legislatura.[10]

Vereadores da 1ª Legislatura Monárquica
Adolph HaltenhoffBenno von FrankenbergBernardo Poschaan Jr.Carlos MonichFrederico JordanFrederico LangeFrederico SchlemmJacob RichlinJean BauerLudovico von LaspergOttokar Dörffel
Vereadores da 3ª Legislatura Monárquica
Augusto StockCarlos KumlehnCarlos MonichCarlos PatzschFernando RognerFrederico JordanFrederico HeerenFrederico LangeFrederico MuellerHenrique LepperHenrique WalterHermann August LepperMartin BächtoldOttokar Dörffel
Vereadores da 4ª Legislatura Monárquica
Antônio SinkeCrispim de MiraFernando RognerFrancisco Machado da LuzFrederico JordanFrederico LangeJean BauerJoão Eugênio MoreiraHenrique LepperHenrique WalterLudolfo SchultzRudolfo KlattVictorino de Souza Bacellar




Pesquisador: Patrik Roger Pinheiro - Historiador | Registro Profissional 181/SC

Como Citar
Referência

PINHEIRO, Patrik Roger. Biografia de Frederico Jordan. Memória CVJ, 2024. Disponível em: <https://memoria.camara.joinville.br/index.php?title=Frederico_Jordan>. Acesso em: 24 de abril de 2024.

Citação com autor incluído no texto

PINHEIRO (2024)

Citação com autor não incluído no texto

(PINHEIRO, 2024)

Referências

  1. 1,0 1,1 1,2 Sociedade de Amigos de Joinville. Álbum do Centenário de Joinville. 1951. Curitiba: Gráf. Mundial.
  2. Ata da Sessão Ordinária de 13 de janeiro de 1869, em guarda do Arquivo Histórico de Joinville.
  3. Noticias Locaes - Processo de Responsabilidade. Gazeta de Joinville, 2 de outubro de 1877.
  4. 4,0 4,1 4,2 Ficker, Carlos. História de Joinville - Crônicas da Colônia Dona Francisca. 2 Ed. Joinville: Impressora Ipiranga, 1965. ISBN: 8578020197
  5. 5,0 5,1 Noticias Locaes. Gazeta de Joinville, 29 de dezembro de 1880. Visitado em 09/11/2022
  6. Relatorio. A Regeneração, 12 de maio de 1878. Visitado em 09/11/2022
  7. Parte Oficial - Governo da Província. O Despertador, de Desterro. 26 de janeiro de 1881. Visitado em 09/11/2022
  8. 7 Vereadores da UDN; 4 do PSD e 2 do PTB - O Resultado Final. Jornal de Joinville, 15 de outubro de 1950.
  9. Annuncios Gazeta de Joinville, 2 de abril de 1878. Visitado em 22/11/2022
  10. Elly Herkenhoff e Maria Thereza Böbel. Famílias brasileiras de origem germânica. Volume VII. Publicação do Instituto Hans Staden. São Paulo: 1989