Conrado de Mira

De Memória CVJ
Ir para navegação Ir para pesquisar
Conrado de Mira
Conrado de mira.jpg
Foto: Arquivo CVJ
Partido(s) PTB
Legislatura
Assinatura Conrado de mira assina.png

Em Joinville, Conrado de Mira foi vereador da 3ª Legislatura pós-Era Vargas.

Vereador

Conrado em Campanha para vereador, em 1954. (Jornal de Joinville, 12 de setembro de 1954)

3ª Legislatura (1955-1959): Mira foi o 3º vereador mais votado nas eleições de 1954, fazendo 837 votos.[1][2] Ele foi Presidente da Comissão de Redação e Leis e em 1956 foi 2º Secretário da Mesa diretora.[3] Era do PTB, e foi eleito pela AST, uma aliança eleitoral de seu partido com o PSD.

Conrado se caracterizou como autor de vários projetos e indicações. Por exemplo, em maio de 1955 ele pedia abertura de crédito para cobrir indenizações de servidores municipais, um projeto para criar uma casa para abrigar menores desamparados, aumentando o salário-família dos servidores, a criação de um departamento de trânsito, remodelação de ruas, e outros mais.[4]

Quando entendeu que a Aliança o traiu no primero ano da legislatura, Mira articulou a resposta no ano seguinte. Em 1955, o PSD fez acordos com a UDN sem seu consentimento ou conhecimento. No ano seguinte, Mira buscou unir-se aos udenistas, que formando maioria não mais precisariam de acordos com os pessedistas. (Ver também: "A AST se desfaz" e "A UDN domina as Comissões", no artigo da 3ª Legislatura.

Outros Mandatos

Prefeito

Eleições perdidas

  • Em 1955 Mira tentaria ser o chefe do executivo municipal, mas fez apenas 153 votos. Seus adversários, João Colin e Jota Gonçalves fizeram respectivamente 8603 e 6116 votos.[5]
  • Mira tentaria novamente a prefeitura no pleito de 1958, fazendo 624 votos. Seus adversários, João Colin e Norberto Bachmann fizeram respectivamente 5266 e 3068 votos. Também participou do pleito Rodolfo Meyer, com 452 votos. [6]

Homenagens

No bairro Costa e Silva, uma rua leva o nome do vereador Conrado de Mira.

A rua Vereador Conrado de Mira

Informações Biográficas

Conrado era sindicalista e sua força política derivava do operariado. Foi presidente da Associação Profissional dos Trabalhadores nas Indústrias de Olaria, Cerâmica e derivados de Joinville.[7] Em 1936 ele era secretário do Círculo Operário de Joinville. [8] Já em 1939, seu nome consta como presidente do "Syndicato Operários da Construcção Civil",[9] entidade da qual ele foi um dos membros fundadores, em 1931.[10]

Em 1941, Conrado de Mira viu-se envolvido num incidente que repercutiu na mídia, quando ofereceu-se para ajudar na organização da recém criada Associação dos Tecelões. O presidente Guilherme Corrêa acusou Mira de manipulador e alegou que ele pareceu querer ajudar, mas manipulou os assuntos em benefício próprio. Segundo o acusador, Mira acabou usando sua experiência não só para conseguir empregar-se na Associação com bom ordenado, como também de imiscuir-se onde não devia, tentando tomar as rédeas da situação. Mira também foi acusado de ser uma mau elemento, criador de casos e alguém que maltratava os associados. Mira acabou demitido.[11] Usando seu direito de resposta, Mira informou que iria processar Guilherme por caluniá-lo e chamá-lo de mau elemento, sendo que quando saiu, mira recebeu uma declaração que atestava "relevantes e perfeitos os serviços prestados pelo snr. Conrado de Mira a esta Associação. Entre muitos outros argumentos, Mira ainda lembrou que ser empregado (como ele foi da Associação) não é crime e que o próprio acusador era um.[12]

Em 1945 Mira constava no quadro de conselheiros fiscais do Caxias Futebol Clube.[13]

Getulista, nas comemorações de 10 de Novembro Conrado de Mira proferiu um discurso de apoio ao presidente Vargas.[14] 10 de Novembro celebrava a data da instalação da 3ª república, em 1957.

Sua esposa dona Irany, descreveu Mira como sendo alguém muito animado, festeiro e alvoroçado. “Ele não parava nunca! Trabalhava direto, no sindicato, e trazia trabalho prá casa. Não tinha ano novo, nada. Só descansou quando morreu mesmo”. Nos anos da ditadura civil-militar, Mira foi preso enquanto estava no sindicato, levado para Florianópolis e depois para o Rio de Janeiro. Foi liberado só meses depois. Conrado de Mira faleceu de infarto fulminante em 1981. [15]

Vereadores da 3ª Legislatura
Ademar GarciaAluísio Condeixa PiresAloizius SehnenArno Waldemar DöhlerCélio BücheleConrado de MiraDagoberto José de CamposDario Geraldo SallesEugênio JurgensGustavo SchosslandHubert HubnerJosé (Jota) GonçalvesMatilde Amin Ghanem




Pesquisador: Patrik Roger Pinheiro - Historiador | Registro Profissional 181/SC

Como Citar
Referência

PINHEIRO, Patrik Roger. Biografia de Conrado de Mira. Memória CVJ, 2024. Disponível em: <https://memoria.camara.joinville.br/index.php?title=Conrado_de_Mira>. Acesso em: 24 de abril de 2024.

Citação com autor incluído no texto

PINHEIRO (2024)

Citação com autor não incluído no texto

(PINHEIRO, 2024)


Referências

  1. Quais os Cidadãos Escolhidos por Joinville para a Futura Câmara. Jornal de Joinville, 09 de outubro de 1954.
  2. Resultados Oficiais em Joinville. A Notícia, 09 de outubro de 1954.
  3. Eleita Ante-Ontem a Nova Mesa da Câmara Municipal de Joinville. Jornal de Joinville, 09 de fevereiro de 1956.
  4. Câmara Municipal - Debatido o Caso da Interrupção da Rodovia Joinville-Itajaí. Jornal de Joinville, 27 de maio de 1955.
  5. Correio do Povo Resultados Finais das Eleições em Joinville. Edição 1861, de 9 de outubro de 1955. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=886440&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=8831. Visitado em 09/12/2021
  6. O Estado de Florianópolis Eleições em Joinville. Edição 13335, de 11 de maio de 1958. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=884120&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=85899. Visitado em 09/12/2021
  7. O Estado de Florianópolis Promissores os Primeiros Movimentos de Celso Ramos. Edição 14119, de 2 de março de 1961. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=884120&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=793211. Visitado em 09/12/2021
  8. A Notícia. Edição 2450, de 28 de novembro de 1936. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=843709&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=12032. Visitado em 09/12/2021
  9. A Notícia. Edição 2739, de 20 de novembro de 1937. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=843709&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=14856. Visitado em 09/12/2021
  10. Gente Nossa: Histórias de gente que fez e faz a cidade. Salvador Neto. Joinville: Legere / Nova Letra, 2014. ISBN: 978-85-67447-05-6
  11. A Notícia. A Associação dos Tecelões. Edição 3512, de 9 de julho de 1941. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=843709&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=5666. Visitado em 09/12/2021
  12. A Notícia. A Associação dos Tecelões. Edição 3513, de 10 de julho de 1941. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=843709&Pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&pagfis=5672. Visitado em 09/12/2021
  13. Correio do Povo Caixas F.C.. Edição 1307, de 6 de dezembro de 1945. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=886440&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=5857. Visitado em 09/12/2021
  14. A Notícia. Echos das commemorações. Edição 3334, de 15 de novembro de 1939. Site:http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=843709&pesq=%22Conrado%20de%20Mira%22&hf=memoria.bn.br&pagfis=20851. Visitado em 09/12/2021
  15. Memória: Conrado de Mira, o organizador do sindicalismo joinvilense Palavra Livre. Salvador Neto. Visitado em 14/12/2021