Adolph Haltenhoff

De Memória CVJ
Ir para navegação Ir para pesquisar
Johann Adolph Haltenhoff
Haltenhoff.jpg
Foto: acervo de Roberta Noroschny
Partido(s) Partido Liberal (1831)
Legislatura 1ª Monárquica
Assinatura Haltenhoff assina.png

Em Joinville, Johann Adolph Haltenhoff, ou João Adolfo Haltenhoff, foi vereador da 1ª Legislatura do período monárquico.

Vereador

1ª Legislatura monárquica (1869-1874): Fazendo 142 votos pelo Partido Liberal, Haltenhoff foi o 2º vereador mais votado nas eleições de 1868.[1] Como o vereador mais votado, Jacob Mueller, mudou-se de Joinville para Curitiba antes da instalação da Câmara, Haltenhoff assumiu a presidência da casa, como vereador mais votado entre os que assumiram o cargo. Quando Haltenhoff decidiu deixar o cargo por motivo de doença, em 1873, Dörffel foi convocado para tomar seu lugar como vereador, enquanto Frederico Lange, como vereador mais votado entre os remanescentes, assumira a presidência.[2]

Informações Biográficas

Imigração

Haltenhoff migrou do reino de Hanover para a Colônia Dona Francisca na brigue dinamarquesa Gloriosa, em 1851, sendo essa a terceira embarcação de imigrantes para Joinville. Junto, trouxe sua esposa Dorothea e três filhas,[3] que se casariam com pessoas de grande vulto na colônia: Maria, que se casaria com o engenheiro e futuro vereador Frederico Heeren; Anna, que se casaria com Aubé e emprestaria seu nome à localidade de Anaburgo; e Louise, que se casaria com Otto Niemeyer.

Início da Colônia

Sendo jurista e contador, desde o início Haltenhoff foi uma liderança na crescente colônia Dona Francisca. Já em 1851, quando a colônia votou a composição de uma comissão para criar os estatutos da comuna, Haltenhoff não só estava entre os 11 eleitos, como foi o relator, usando como modelo os estatutos de Hanover. Ele também foi escolhido como um dos 3 membros da direção da Colônia nos seus primórdios, quando Benno von Frankenberg era o diretor.[4]

O Empreendedor

O dinâmico Haltenhoff era proprietário de uma olaria. A maior parte dos tijolos que hoje compõe o museu nacional de imigração vieram da olaria dele.[1]

Outros fatos importantes

  • 1855 - Eleito juiz de paz
  • 1855 - Haltenhoff apresenta os estatutos para a criação da Schuetzen-Verein zu Joinville, considerada o primeiro clube de tiro ao alvo do Brasil
  • 1857 - Haltenhoff assina, com outros cidadãos, uma petição enviada à presidência da província de Santa Catarina, solicitando a elevação de Joinville à condição de Vila, o que permitiria formar uma Câmara Municipal própria.
  • 1863 - Designado sub-delegado de polícia
  • 1865 - Convocação para a guerra do Paraguai: Na condição de sub-delegado de polícia, Haltenhoff lançou uma enfática convocação aos colonos, incentivando-os a formarem um batalhão em defesa do Brasil na Guerra do Paraguai, os famosos voluntários da Pátria.[1]

Haltenhoff no fim de sua vida

Em 1870 Haltenhoff se tornou viúvo. Em 1873, por motivo de doença, ele renunciou ao cargo de presidente da câmara e em 1874 regressou à França, onde morreu um ano depois, com 73 anos de idade.[5]

Família

Haltenhoff foi pai de:

  • Maria, esposa de Frederico Heeren;
  • Anna, esposa de Aubé. Ele foi diretor da Colônia Dona Francisca e procurador do Príncipe de Joinville. Ela deu nome a localidade de Anaburgo;
  • Louise, que se casaria com Otto Niemeyer, procurador da Sociedade Colonizadora no Rio de Janeiro.

Homenagens

A rua São Joaquim primeiro chamava-se rua Haltenhoff

A rua que liga a 9 de março à Engenheiro Niemeyer chamava-se rua Haltenhoff. Pela resolução nº 173, de 21 de fevereiro de 1912, o nome dessa rua foi alterado para “São Joaquim”, de modo que não há atualmente na cidade nenhum logradouro que remeta à atuante personalidade do primeiro presidente da história do legislativo joinvilense.[6]

Presidente da Câmara Municipal de Joinville na Monarquia
Presidente em 1868-1873 Sucedido por
Frederico Lange
Vereadores da 1ª Legislatura Monárquica
Adolph HaltenhoffBenno von FrankenbergBernardo Poschaan Jr.Carlos MonichFrederico JordanFrederico LangeFrederico SchlemmJacob RichlinJean BauerLudovico von LaspergOttokar Dörffel




Pesquisador: Patrik Roger Pinheiro - Historiador | Registro Profissional 181/SC

Como Citar
Referência

PINHEIRO, Patrik Roger. Biografia de Adolph Haltenhoff. Memória CVJ, 2024. Disponível em: <https://memoria.camara.joinville.br/index.php?title=Adolph_Haltenhoff>. Acesso em: 24 de abril de 2024.

Citação com autor incluído no texto

PINHEIRO (2024)

Citação com autor não incluído no texto

(PINHEIRO, 2024)

Referências

  1. 1,0 1,1 1,2 Ficker, Carlos. História de Joinville - Crônicas da Colônia Dona Francisca. 2 Ed. Joinville: Impressora Ipiranga, 1965. ISBN: 8578020197
  2. Ata da Sessão Ordinária de 26 de março de 1873, em guarda do Arquivo Histórico de Joinville.
  3. Listas de Imigrantes, Arquivo Histórico de Joinville.
  4. Rodowicz-Oswiecimsky, Theodor. A Colônia Dona Francisca no Sul do Brasil. Florianópolis: Ed. da UFSC, FCC; Joinville: FCJ, 1992.
  5. Herkenhoff, E. Nossos Prefeitos - 1869-1903. Joinville: Prefeitura de Joinville, 1984.
  6. Resolução N. 173. Commercio de JOinville, 24 de fevereiro de 1912. Visitado em 26/10/2022