Francisco Gomes de Oliveira

De Memória CVJ
Ir para navegação Ir para pesquisar
Francisco Gomes de Oliveira
Foto:
Partido
Legislatura 6ª legislatura Monárquica e 7ª, 8ª, 9ª e 10ª Legislatura da Primeira República

Em Joinville, o tenente-coronel Francisco Gomes de Oliveira foi vereador da 6ª Legislatura Monárquica e da , , e 10ª Legislatura da Primeira República

Vereador

O terceiro parágrafo do artigo 22 da Lei Saraiva.
  • 6ª Legislatura Monárquica (1887-1890): Nas eleições de 1886, Francisco conquistou 15 votos, sendo o segundo vereador mais votado naquele pleito.[1] Em 1889, Francisco foi nomeado Coletor das Rendas Provinciais, cargo que o tornou incompatível para o cargo de vereador. Para substituí-lo, foi designado o dia 8 de setembro daquele ano para nova eleição.[2] Nesse período, a Lei Saraiva, no seu artigo 22 parágrafo 3, rezava que caso algum vereador precisasse ser substituído, não seria chamado nenhum suplente, e uma eleição seria realizada.
  • 7ª Legislatura da Primeira República (1907-1910): Fazendo 652 votos, Francisco foi o 3º vereador mais votado nas eleições de 1906.[3]
  • 8ª Legislatura da Primeira República (1911-1914): Nessa legislatura Francisco foi eleito vice-presidente da casa.[4]
  • 9ª Legislatura da Primeira República (1915-1919): Francisco foi reeleito vice-presidente nos 4 anos da legislatura.[5][6][7]
  • 10ª Legislatura da Primeira República (1920-1923):

Eleições Perdidas

1895 - 147 votos - O eleito menos votado, Henrique Hänsch, conquistou 159 votos.[8]

Informações Biográficas

Fatos importantes

  • 1881 - Escolhido para o cargo de Guarda-Fiscal pela Câmara de Joinville.[9]
  • 1888 - Francisco montou uma fábrica de cal, segundo o Kolonie Zeitung, no lugar "Riacho", nas proximidades da Lagoa Saguaçu.[10] A localidade e o rio com nome de "Riacho" ficam na região do Morro do Amaral.
  • 1895 - Juiz de paz substituto, em exercício.[11]
  • 1896 - Membro da comissão responsável por recepcionar o governador Lauro Müller.[12]
  • 1909-1912 (talvez por mais anos) - Administrador da Estrada de Rodagem Dona Francisca.[13]

Família

Tharcilla, neta de Francisco, se casou com José Américo Dias Barreto, que foi vereador na 2ª Legislatura Pós-Vargas.[14] Francisco é pai de Carlos Gomes, que foi deputado estadual, federal e senador.

Francisco também é primo do vereador Alferes João Gomes de Oliveira, sendo meio-irmãos os pais deles.

Vereadores da 6ª Legislatura Monárquica
Alberto KröhneCarlos KumlehnEduardo KrischJoão Eugênio Moreira JúniorFernando RognerFrancisco Gomes de OliveiraFrederico BrüstleinJohann ColinLudolfo Schultz

Quadro 7ª Legislatura da Primeira RepúblicaQuadro 8ª Legislatura da Primeira RepúblicaQuadro 9ª Legislatura da Primeira RepúblicaQuadro 10ª Legislatura da Primeira República



Pesquisador: Patrik Roger Pinheiro - Historiador | Registro Profissional 181/SC

Como Citar
Referência

PINHEIRO, Patrik Roger. Biografia de Francisco Gomes de Oliveira. Memória CVJ, 2024. Disponível em: <https://memoria.camara.joinville.br/index.php?title=Francisco_Gomes_de_Oliveira>. Acesso em: 22 de abril de 2024.

Citação com autor incluído no texto

PINHEIRO (2024)

Citação com autor não incluído no texto

(PINHEIRO, 2024)


Referências

  1. Sociedade de Amigos de Joinville. Álbum do Centenário de Joinville. 1951. Curitiba: Gráf. Mundial.
  2. Parte Official - Governo da Província. A Regeneração, 24 de julho de 1889. Visitado em 30/10/2023
  3. As Eleições. Commercio de Joinville, 8 de dezembro de 1906. Visitado em 22/05/2023
  4. Editaes. Commercio de Joinville, 1 de julho de 1911. Visitado em 06/10/2023
  5. Acta da Sessão Ordinária de 7 de janeiro de 1912. Commercio de Joinville, 2 de março de 1912. Visitado em 23/05/2023
  6. Conselho Municipal. Commercio de Joinville, 11 de janeiro de 1913. Visitado em 23/05/2023
  7. Acta da Sessão Especial de 7 de janeiro de 1914. Gazeta do Commercio, 10 de janeiro de 1914. Visitado em 23/05/2023
  8. Das Wahlresultat. Kolonie Zeitung, 09 de abril de 1895.
  9. Ata da Sessão de 5 de outubro de 1881, em guarda do Arquivo Histórico de Joinville.
  10. Cal de Joinville. Kolonie Zeitung, 26 de julho de 1888.
  11. Amtliche Bekkantmachungen - Edital. Kolonie Zeitung, 19 de fevereiro de 1895.
  12. Recepção. Commercio de Joinville, 12 de janeiro de 1907. Visitado em 22/05/2023
  13. Commercio de Joinville, 6 de março de 1909. Visitado em 22/05/2023
  14. Locaes. Gazeta do Commercio, Edição 5, de 27 de janeiro de 1917. Visitado em 12/11/2021